Urgência e emergência

Emergência é todo caso em que há ameaça iminente à vida, sofrimento intenso ou risco de lesão permanente, havendo necessidade de tratamento médico imediato. Alguns exemplos de emergências são a parada cardiorrespiratória, hemorragias volumosas e infartos que podem levar a danos irreversíveis e até ao óbito.

Emergência é todo caso em que há ameaça iminente à vida, sofrimento intenso ou risco de lesão permanente, havendo necessidade de tratamento médico imediato. Alguns exemplos de emergências são a parada cardiorrespiratória, hemorragias volumosas e infartos que podem levar a danos irreversíveis e até ao óbito.

Urgência é uma situação que requer assistência rápida, no menor tempo possível, a fim de evitar complicações e sofrimento.  São exemplos de urgência: dores abdominais agudas e cólicas renais.

Segundo o Conselho Federal de Medicina, em sua Resolução CFM n.° 1.451, de

10/3/1995 (CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA, 1995), temos:

Urgência: ocorrência imprevista de agravo à saúde com ou sem risco potencial de vida,

cujo portador necessita de assistência médica imediata.

Emergência: constatação médica de condições de agravo à saúde que impliquem em

risco iminente de vida ou sofrimento intenso, exigindo, portanto, tratamento médico imediato.

Classificação das urgências em níveis

Com o objetivo de facilitar o estabelecimento de prioridades entre os diferentes casos

de urgência, podemos didaticamente classificá-las da seguinte forma:

Nível 1 : Emergência ou Urgência de prioridade absoluta

Casos em que haja risco imediato de vida e/ou a existência de risco de perda

funcional grave, imediato ou secundário.

Nível 2 : Urgência de prioridade moderada

Compreende os casos em que há necessidade de atendimento médico, não

necessariamente de imediato, mas dentro de poucas horas.

Nível 3 : Urgência de prioridade baixa

Casos em que há necessidade de uma avaliação médica, mas não há risco de vida

ou de perda de funções, podendo aguardar várias horas.
Nível 4 : Urgência de prioridade mínima

Compreendem as situações em que o médico regulador pode proceder a conselhos

por telefone, orientar sobre o uso de medicamentos, cuidados gerais e outros

encaminhamentos.

"Conceito de Potencialidade”: Qualquer caso inicialmente classificado em um

determinado nível pode mudar sua colocação inicial, em função do tempo de

evolução, tipo de transporte e outros fatores, sendo, portanto, necessário estimar

a gravidade potencial para cada caso.